Home Resenhas Cinema Crítica | A Forma da Água
Crítica | A Forma da Água

Crítica | A Forma da Água

0
0

Há pouco mais de 2 anos, quando o diretor Guillermo del Toro lançou um de seus projetos mais pessoais e ousados, o romance gótico intitulado A Colina Escarlate, muitos esperavam que esse seria um dos projetos de maior destaque do diretor. Infelizmente o longa não teve o êxito esperado e não emplacou nas principais premiações do cinema.

Tempos depois, após o esforço de del Toro em seu novo projeto autoral, o plano parece que finalmente deu certo. A Forma da Água é a nova aposta do diretor para chegar ao topo do cinema mundial. Com ele, Guillermo já conquistou o prêmio de melhor diretor durante a cerimônia do Globo de Ouro 2018 e acaba de atingir incríveis 13 indicações ao Oscar 2018.

Os méritos pela conquista não são poucos. A Forma da Água é um dos filmes mais tocantes e puros dos últimos anos. O romance entre uma moça inocente e uma criatura bizarra pode não ser o enredo mais original já visto, mas sem dúvida a maestria e singeleza dada a direção de A Forma da Água através de Guillermo del Toro, traz valores raros e singulares ao longa.

Ao conduzir A Forma da Água, del Toro prova que não é só um diretor com muitos conceitos e concepções visuais, mas também um exímio diretor de atores. As atuações do longa são extremamente consistentes e exploram peculiaridades de cada personagem com perfeição. A personagem Elisa, interpretada por Sally Hawkins, carrega uma doçura com ares de inocência, algo semelhante ao visto em Amélie Poulain. Já Strickland, o vilão interpretado por Michael Shannon, é cheio de características excêntricas, sendo completamente sólido de sua maldade e motivação.

Também se destacam os renomados Richard Jenkins e Octavia Spencer, como personagens peculiares que trazem breves alívios cômicos e traçam um belo plano de fundo a narrativa. E, por fim, Doug Jones, interpretando a criatura, que há muito tempo vem se especializando em atuar com personagens humanoides que carregam quilos de maquiagem e que mais uma vez não decepciona em sua performance. Jones é expressivo e sabe se portar muito bem como uma criatura.

A direção de arte – como se espera em qualquer filme de del Toro – é um espetáculo à parte. O desing de produção de A Forma da Água é complexo, remete ao auge da Guerra Fria, e emula instalações militares com máquinas enormes, computadores primitivos – os jogadores de Fallout se familiarizarão com a estética do longa. Guillermo opta por uma paleta em tons de verde e esmeralda, e por vezes brinca com a escolha durante a própria narrativa. É um trabalho repleto de detalhes e que enriquecem cuidadosamente o visual do longa.

A direção de fotografia é outro ponto crucial em A Forma da Água que não optou pelo mais simples, e elevou muito o nível de complexidade do filme em termos de linguagem audiovisual. São sequências de planos-sequência. A câmera transita entre os personagens sem absolutamente nenhum corte, e isso exige cenas extremamente bem ensaiadas e cronometradas. A câmera está quase sempre em movimento, e abusa de travellings frontais que são pouco ocasionais.

Em questões conceituais, del Toro também não erra e preenche A Forma da Água com homenagens ao cinema clássico, ao sapateado e até a Carmen Miranda. A criatura também faz referência a monstros clássicos, como Frankenstein de Mary Shelley, em cenas que exploram o contato do personagem com a maldade e bondade do mundo humano, e ao ancestral Monstro da Lagoa Negra. São diversos os pontos que notamos as referências usadas pelo diretor na concepção do romance e de seus personagens.

Por fim, o que se pode dizer é que A Forma da Água é um filme apaixonante que explora a simplicidade das emoções e os valores que nos tornam humanos. Um romance improvável, em um cenário improvável, mas que nos tocam no ponto certo. Tecnicamente impecável e extremamente bem desenvolvido, a Forma da Água tem tudo para chegar em março e conquistar boa parte das estatuetas douradas do Oscar.

Comments

Comentários

Will Brandini Um urso, discípulo de Zé Colméia, assaltante de pipoca de cinema que tenta falar nerdices com alguma autoridade enquanto foge do Guarda Smith.