Home Editorial Eu Joguei, Eu Lembro: Street of Rage 2
Eu Joguei, Eu Lembro: Street of Rage 2

Eu Joguei, Eu Lembro: Street of Rage 2

0
4

A década de noventa foi uma das melhores épocas para se viver, principalmente se você tinha um Mega Drive e tempo de sobra para para se divertir com um amigo jogando seus games incríveis de Beat ‘ em ups como o Street of Rage 2.

Quando aluguei este jogo, já havia zerado o primeiro. Fiquei bem animado e surpreso com as mudanças que rolaram de um game para o outro. A primeira, foi a seleção de personagens que mostrava os pontos fortes e fracos de cada um. Dessa vez eram 4, com a permanência de Axel e Blaze, tivemos a introdução de Max, um lutador de vale-tudo amigo dos ex-policiais e o irmão mais novo de Adam, Skate, que foi sequestrado pelo Mister X.

Outras novidades foi a capacidade de aumentar a barra de vida. Em compensação, a dificuldade havia aumentado e mesmo se colocado no Modo Fácil, os inimigos o atacariam de formas diferentes (principalmente o Punk de cabelo espetado). Em algumas fases , os subchefes davam bastante trabalho só eram superado pelo Chefe final, não adiantava partir para cima como um desesperado, o único jeito de vencer a luta era sendo estratégico.

Street_of_Rage_inimigos
Em alguns momentos tinha que ter estratégia, em outros, era só descer o braço no inimigo.

Os gráficos tiveram um salto impressionante, todos os personagens e cenários ficaram muito mais bem detalhados que o primeiro. Falando dos cenários, eles ficaram mais longos e mudavam enquanto progredia na fase. A trilha sonora continuou impecável e veio trazendo uma pegada mais Rock n’ Roll que mudava junto com as fases.

No primeiro Street of Rage você não sentia tanta diferença de um personagem para outro. Já no segundo, isso ficou claro principalmente nos dois novos personagens: Max era forte e lento, Skate o inverso. Os mais equilibrados acabavam sendo o Axel ou a Blaze. Foram inclusos ataques especiais que podiam ser utilizados como emergência e para realizar combos, tendo como consequência uma leve perda de sangue, mas fiquei chateado por ter sido tirado o carro da policia, pois além de limpar a área, era legal ver o desespero dos inimigos.

Street_of_Rage_Limpeza
Tá vendo essa cena? Seria ótimo ter o carro de polícia agora para fazer uma bela limpeza

Diferente do primeiro game, esse não tinha a opção de um final alternativo (Falei sobre isso no meu texto sobre o Street of Rage). Mesmo assim, a luta com o chefe era sensacional e o final com o encontro dos irmãos emocionava. Um game que marcou sua história no Mega Drive.

Gameplay do Street of Rage 2:

Comments

Comentários

Diogo Lopes Bastos Está começando a trilhar seu caminho nesse mundo gigantesco da cultura pop e escrevendo seu primeiro grande roteiro.
  • Vocês acreditam que eu tenho o meu Mega até hoje???
    Está guardado na casa do meu pai… rsrs
    Lembro que Street of Rage 2 já veio inserido no meu (o meu veio com + – 10 jogos).
    Que saudade, virei várias noites em sua companhia!!!
    Depois dele, não tive a oportunidade de ter outro console, que tristeza…
    Bjs

    • Diogo Lopes Bastos

      Ter um Mega Drive até hoje é algo bem raro, conheço poucas pessoas que o possuam e ainda conseguem jogar nele. Eu teria adorado muito que quando meu pai o comprou tivesse vindo com 10 jogos, só venho com o Quackshot e um game de nave.

    • Diogo Superior

      eu tbm tenho, mas tenho meu desde 1991 🙂 vários cartuchos, ele tá feliz com meus outros 7 videogames 🙂

  • Diogo Superior

    Tenho o meu mega drive até hoje, o mega drive 1 americano, comprei usado em 1992 por 112 dolares e o que convenceu minha família a levar o mega e que ele era bem melhor q meu master system era o Streets of Rage 2.
    Ah sim, eu economizava por anos pra comprar meus videogames, por isso tenho 8 consoles. Nunca os vendi, eu levei 2 anos de migalhas e não gastar em nada pra comprar o mega drive.